Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

CARTA A EXCELENTISSIMA SENHORA PRESIDENTA DO BRASIL DILMA ROUSSEF




Exa. Sra. Presidente Dilma, estou lhe escrevendo, mesmo estando ciente que nunca irá ler essa carta, pois eu sou apenas e simplesmente uma brasileira, quero disser, mais uma que sofre com injustiças e as corrupções da vida. Mas na fé e esperança que quem ler possa ter o poder de lhe ao menos avisar que escrevi.
Mas mesmo assim resolvi me desabafar, em meu nome e de todos que passam pelo mesmo problema.
Sou mãe, sou avó e toda minha vida batalhei muito, trabalhei de sol a sol para nunca faltar nada para minhas filhas, não posso dessa epoca me queixar, pois tinha uma vida normal, muita saude, para ir e vir quando e como quisesse, acordava cedo enfrentava transito, condução lotada, tinha um emprego digno e honrado, onde com meu salario consegui dar as minhas filhas o melhor possivel, mas infelizmente como acidentes acontecem, final de 1995 eu estava em meu terceiro dia das minhas merecidas férias, já imaginando o que eu poderia fazer para ganhar um dinheiro extra, fui levar minha filha mais velha que estava com 15 anos e já trabalhando na mesma empresa que eu, nessa epoca eu me encontrava com apenas 36 anos... estacionei o carro e quando estava andando na calçada tropecei, escorreguei em uma pedrinha e a rotula do meu joelho se partiu bem ao meio, perdi as forças da perna e fui ao solo, com ajuda de pessoas de uma fisioterapia que havia proxima fui para o hospital, onde fizeram a cirurgia da fratura, e ai excelentissima acabou minha vida...
Com o diagnostico que em tres meses eu estaria andando normalmente, fiquei aliviada, nem imagina o que me aguardava...
Da cirurgia me deu trombose, e por uma seguencia de erros medicos, ficou sequela, fiquei mais de ano fazendo fisioterapia, deitada em uma cama, pois não podia colocar o pé no chão e muita dor, minha mais velha com 16 e minha caçulinha com 6, depois de 6 meses do ocorrido comecei a receber da previdencia (INSS) mas apenas auxilio doença, pois eu me encontrava de ferias, já imaginou 6 meses sem receber com duas filhas necessitando de mim? Eu deitada em uma cama?, quando meu ortopedista me disse:-seu caso é atípico, como você dobra a perna 50% vou lhe dar alta da fisioterapia, pois nada mais mudará...
O vascular mandou eu voltar nele de ano em ano, mas nenhum me deu alta para voltar trabalhar, eu já estava em desespero, fui na pericia que estava agendada e praticamente obriguei o perito a me dar alta, mesmo tendo uma dor terrivel, eu já conseguia com almofada na perna colocar o pé na embrenhagem já podia ir trabalhar, grande engano meu, a dor só aumentando, na minha terceira falta fui demitida, ai meu drama piorou, emprego com carteira assinada não conseguia por causa da perna e comecei a fazer bicos, trabalhei de motorista particular, como prestadora de serviço, trabalhei transportando pessoas para tratamento de CA, que vinham de outro Estado e até outros paises, levava passear, fazia companhia para compras, enfim, eu os acolhia e ajudava nesses dias tão dificeis que é o tratamento dessa doença terrivel.
Eu me mudei para RS, uma pequena cidade sendo que lá eu arrumei um emprego onde os patrões era pessoas muito boas, me “aturaram” lá por mais de dois anos, mesmo eu faltando por causa de problemas de saude.
Lá no RS foi onde um médico vascular me disse:- não tem mais o que fazer em sua perna, tem que ficar deitada , daqui um tempo começará abrir feridas que serão dificeis de fecharem é o começo da necrose.
Ai Sra. Presidenta que caiu minha ficha, tantos anos indo ao vascular, reclamando de dor, inchaço, caimbrãs, perda de equilibrio, eles me davam voltarem e analgesicos e me mandavm ficar em repouso, eu na minha ignorancia acreditava que ficaria boa um dia, afinal, eu fazia o tratamento só não ficava muito de repouso..
Hj aos 51 anos, com pressão alta, depressão, labirintite, esofagite, hernia de hiato e tive minha segunda trombose, tenho laudos dos medicos de saude publica, a medica da UBS que é medica da familia que me acompanha, vasculares que vou onde a UBS agenda, gastro e tudo mais que sou encaminhada, remedios e muito analgesico os peritos do INSS que me veem menos de 5 min. Dentro de sua sala falam que não tenho incapacitada para o trabalho, então os médicos de saude publica e eu mentimos? estamos fraudando o meu direito de assegurada? NÃO sou uma vagabunda que não quer trabalhar, NÃO estou fraudando os milhões da previdencia que todos os dias assistimos indignados nos noticiarios. Não quebrei minha rotula de proposito e muito menos consegui coagular o sangue em minhas veias para me aposentar, não sofro a 15 anos por que quero ou muito menos porque gosto, mas sei que tenho direito no minimo a ter problemas de saude com dignidade e receber do INSS.
E ninguem pode me ajudar?
Então excelentissima senhora presidenta do Brasil Dilma Roussef?
A senhora tem uma resposta para mim?
Agradeço sua atenção

SERÁ QUE OBTEREI ALGUMA RESPOSTA?
Cyda Ferraz
Publicado no Recanto das Letras em 09/02/2011
Código do texto: T2781302

Nenhum comentário:

Postar um comentário